Veja outras formas de visualizar o blog, clicando nas opções a seguir:
Sidebar Magazine Timeslide
AVISO:
O blog Antropologia da Criança apenas divulga eventos e publicações. Procurem nas respectivas postagens o link do evento para fazer sua inscrição, bem como o link da revista para enviar seu texto - a página Contato não serve para isso.


quinta-feira, 28 de abril de 2011

Centre for Child-focused Anthropological Research - C-FAR

Centre for Child-focused Anthropological Research - C-FAR

Brunel University - London

The Centre for Child-focused Anthropological Research - C-FAR was founded in the Department of Human Sciences at Brunel University in 1999. The Centre was established with a 'seedcom' grant from the Diana, Princess of Wales Memorial Fund to the Royal Anthopological Institute.

HISTORY & DIRECTION

  • To consolidate and build a comparative international approach to child-focused anthropological research.
  • To make this approach applicable to varied settings including those where children are at risk from war, famine, dislocation, abuse, deprivation, physical and mental ill-health.
  • To incorporate and address national and international policy and practices relating to issues such as child labour, education and social welfare, family life and children's rights.
  • To raise the profile of such research, disseminate its findings, and promote their contribution to understanding about how to change children's lives in terms of locally relevant criteria.
  • To inform national debate about issues pertaining to the nature of childhood in the 21stC.

RESEARCH INTERESTS
The interests of the Centre are closely associated with the delivery of the Anthropology of Childhood, Youth and Education MSc. This degree is designed to show postgraduate students how anthropological approaches can be used to gain access to and understand children’s lived experience, their ideas about the world and themselves, and their relations with peers, adults, and the wider society.



Information and image transcribed from the website. Click here to visit.
Informações e imagem retiradas do site. Clique aqui para visitá-lo.



terça-feira, 26 de abril de 2011

BIBLIOGRAFIA ATUALIZADA

Novas inclusões na página Bibliografia:


Se quiserem acessar a revista correspondente à publicação, é só clicar sobre o nome da revista.

AMORIM, Katia de S.; VITORIA, Telma; ROSSETTI-FERREIRA, Maria C. Rede de significações: perspectiva para análise da inserção de bebês na creche. Cadernos de Pesquisa, n.109. p.115-144, março 2000.
BERNSTEIN, Basil. A pedagogização do conhecimento: estudos sobre recontextualização. Cadernos de Pesquisa, n.120, p.75-110, novembro 2003.
CRUZ, Tânia M.; CARVALHO, Marília P. de. Jogos de gênero: o recreio numa escola de ensino fundamental. cadernos pagu (26), janeiro-junho de 2006: pp.113-143.
DAVIES, Brian. Bernstein, Durkheim e a sociologia da educação na inglaterra. Cadernos de Pesquisa, n.120, p.51-74, novembro 2003.
FERREIRA, Manuela; CARAMELO, João; ARAÚJO, Maria José; LOPES, Humberto. "As fitas da infância" ou... dialogando a partir de imagens cinematográficas de crianças. Educação, Sociedade eCulturas, n.17, 2002, p.155-183.
GOMES, Lisandra. O cotidiano, as crianças, suas infâncias e a mídia: imagens concatenadas. Pro-Posições, v.19, n.3 (57) - set/dez. 2008.
GONDRA, José G. A emergência da Infância. Educação emRevista, Belo Horizonte, v.26, n.01, p.195-214, abr. 2010.
LA TAILLE, Yves de. Desenvolvimento Moral: a polidez segundo as crianças. Cadernos de Pesquisa, n. 114, p.89-119, novembro 2001.
MAUSS, Marcel. Três observações sobre a sociologia da infância. Pro-Posições, Campinas, v.21, n.3 (63), p.237-244, set/dez. 2010.
MENDONÇA, João Martinho de. Margaret Mead, Bali e o Atlas do comportamento infantil: apontamentos sobre um estudo fotográfico. Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, ano 16, n. 34, p. 315-348, jul./dez. 2010.
PEREIRA, Rita M. R. Infância, televisão e publicidade: uma metodologia de pesquisa em construção. Cadernos de Pesquisa, n. 115, p.235-264, março/ 2002.
SANTOS, Lucíola L. de C. P. Bernstein e o campo educacional: relevância, influências e incompreensões. Cadernos dePesquisa, n.120, p.15-49, novembro 2003.
SOUZA, Érica R. de. Marcadores sociais da diferença e infância: relações de poder no contexto escolar. cadernos pagu (26), janeiro-junho de 2006: pp.169-199.
SILVA, Rita de Cácia O. da. "A criança no ser": infância, intertextualidade e performance entre crianças artistas e seus familiares em Recife. Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, ano 16, n. 34, p. 117-136, jul./dez. 2010
SOUZA, Solange J. e. Fotografar e narrar: a produção do conhecimento no contexto da escola. Cadernos de Pesquisa, n. 116, p.61-80, julho/ 2002.
TOREN, Christina. A matéria da imaginação: o que podemos aprender com as idéias das crianças fijianas sobre suas vidas como adultos. Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, ano 16, n. 34, p. 19-48, jul./dez. 2010.
YOUNG, Michael F. D. Durkheim, Vygotsky e o currículo do futuro. Cadernos de Pesquisa, n. 117, p.53-80, novembro 2002.

sexta-feira, 22 de abril de 2011

Ainda sobre o documentário BABIES

Confesso que ainda não assisti o documentário, mas tenho lido muitos comentários na internet, que falam principalmente sobre a parte fotográfica do filme, com suas belas e encantadoras imagens.
Ontem li a crítica de um antropólogo, David F. Lancy, que realiza pesquisas sobre a infância e o papel dos pais e outras pessoas na transformação das crianças em adultos competentes. Seu trabalho pode ser conferido no blog Benign Neglect - An Anthropologist Looks at Contemporary Parenting. Vale a pena conferir o blog!
Abaixo, o texto do antropólogo sobre o Documentário BABIES, postado no seu blog. A postagem original pode ser conferida clicando neste link.


Babies: The Movie

How representative of the world's cultures is the documentary "Babies?" 

Almost from the moment the film was released, I was bombarded by queries from students, colleagues and friends: "Had I seen Babies and what did I think about it?" "Was it an accurate portrait of cross-cultural variation?" With all good intentions to satisfy their and my curiosity, I didn't actually see the film until I was on a flight to Madagascar last October. It seems that only while traveling at 900km/h was I able to slow down enough to take in a film.
First the facts. The documentary film is the work of French filmmaker Thomas Balmès and Studio Canal. The film records episodes in the first year of life of 4 babies from San Francisco, Tokyo, somewhere on the Mongolian Steppe and a remote area of Namibia. It was released in May 2010 and earned $7.3 million in its first two months of circulation. Its appeal arises from two factors-the babies!! and the excellent cinematography. Nearly every shot is framed by a baby and whatever else is in the vicinity or moving through the frame. So, in 75 minutes, you do begin to get a baby's perspective on the world.
I reviewed the film again last week for the benefit of a gathering of students. In the process, I paused it periodically to comment or reflect on aspects of culture that had been revealed. As in my classes, I tried to tease apart idiosyncratic, culturally patterned and universal aspects of childhood. The four cases are not particularly representative. The US and Japanese cases represent the modern elite: urbanized, educated, 2-parent, 1-child families. Lower class or slum communities (representing the fastest growing demographic in the world) were not represented. The Mongolian and Namibian cases are both nomadic herding cultures, leaving unrepresented foraging and farming as important subsistence types. How people make their living has an enormous bearing on the lives of children and accounts for much of the variability we can expect to see in any thorough comparison. Three of the four communities had access to modern, high-tech hygienic obstetrics care. I could only wish that this reflected the portion of the world's expectant mothers who had access to such care but it surely won't happen in my lifetime.
In at least one respect, the Japanese and US cases misrepresent the larger society they're drawn from and that is in showing fathers to be deeply involved with their new offspring. Father involvement with infants is extremely rare. The level shown here has been documented for only a single society in the world-the Aka pygmies in Central Africa. (1) Japanese fathers, whose work and leisure keep them from home, are not expected to participate in the lives of their children. And, government attempts to change that status quo have been a dismal failure. (2) Indeed, many seem to suffer from kitaku kyofu, an "allergic" reaction to their own homes. (3) The "new" fathers in Babies exemplify what the Swedes have (hopefully) called the "velveteen daddy phenomenon." (4)
The greatest anomaly of the film, for me was the extreme rarity with which mothers were shown to be working. One of the most important contributions of anthropology to the eradication of long-standing stereotypes was to demonstrate, through careful fieldwork, that women really are the breadwinners in most societies. It is only with the rise of plow agriculture and irrigation that men supersede women in their relative contribution to subsistence. (5) In Babies we catch a brief glimpse of the US mother in the kitchen, and of the Mongolian mother milking but, when we see women they are engaged in childcare or at ease with their offspring. A far more common scene would be one in which a mother treks home from a foraging or gardening expedition carrying her baby attached to her hip and a sack with her harvest on her back and, perhaps, a calabash with water or pile of firewood on her head. That is, women, almost universally, engage in infant care while doing something else or as a brief interlude in their labors.  
On the other hand, mothers of young children are also likely to have helpers or "alloparents" and we do see evidence of shared childcare, especially in the Himba village in Namibia where mothers are looking after and nursing others' offspring and older girls are looking after their younger kin.
Aside from the biases, I really enjoyed the film for its ability to get inside the baby's world. The scenes of sibling rivalry in Mongolia and Namibia were delightful and characteristic. I also appreciated the striking contrast between the relative autonomy of the Mongolian and Himba children contrasted with the US and Japanese children. While the Namibian babies crawl in the dirt, tasting whatever they find, Hattie, the US baby, is confined to a sling like apparatus which keeps here more or less stationery and off the ground. If you enjoy babies, you'll enjoy the film.

1. Hewlett, B. S. 1991. Intimate Fathers: The Nature and Context of Aka Pygmy Paternal-Infant Care. Ann Arbor, MI: University of Michigan Press.
2. Kingston, J. 2004. Japan's Quiet Transformation: Social Change and Civil Society in the Twenty-first Century. London: Routledge Curzon.
3. Jolivet, M. 1997.Japan: The Childless Society? The Crisis of Motherhood. London: Routledge.
4. Welles-Nyström, B. 1996. Scenes from a marriage: Equality ideology in Swedish family policy, maternal ethnotheories, and practice,' in Parents' Cultural Belief Systems: Their Origins, Expressions, and Consequences. S,. Harkness and C. M. Super (Eds), pp. 192-214. New York: The Guilford Press.
5. Boserup, E. 1970. Women's Role in Economic Development. London: Allen & Unwin.

quarta-feira, 20 de abril de 2011

BABIES - Documentário

Estreia documentário que mostra o crescimento de bebês em diferentes culturas
"Bebês", de Thomas Balmès entra em cartaz em diversas salas

Marcelo Perrone - ZERO HORA
Entra em cartaz nesta sexta-feira (15) na Capital um documentário que coloca em plano secundário qualquer avaliação a respeito de aspectos técnicos, narrativos e o que vem a somar ao gênero que, cada vez mais, expande suas fronteiras de linguagem.
A linguagem que Bebês explora e ilumina é única e universal: “Gu-gu-dá-dá”.
A partir da ideia do produtor, diretor e ator francês Alain Chabat, o documentarista Thomas Balmès foi a campo para ilustrar como diferenças culturais se refletem na formação de uma criança. Para isso, o diretor  acompanhou quatro nenês do nascimento aos primeiros passos. Os fofos protagonistas foram encontrados numa aldeia da Namíbia (África), nas estepes da Mongólia (Ásia),  em Tóquio (Japão) e em São Francisco (EUA). 
O registro dos pimpolhos é bastante simples, sem narração, sem depoimentos, sem nenhum tipo de contextualização cultural ou antropológica. Tudo é autoexplicativo. A câmera acompanha as crianças crescerem e apresentarem os primeiros sinais de integração ao ambiente em que vivem, do momento em que todas são exatamente iguais ao instante em que cada uma delas se torna única.
Nesse singelo registro do cotidiano, Bebês oferece imagens tocantes. Se por um lado as cenas com as crianças americana e japonesa se parecem com os flagrantes captados por pais babões que circulam no YouTube, o documentário as compensa com as imagens encantadoras dos pequenos na Namíbia e na Mongólia, numa rotina que pode causar estranheza às plateias mais urbanas.
Bebês não busca sublinhar as diferenças entre pobres e ricos, ocidentais e orientais. Pelo contrário, a ideia é reforçar o quanto todos são iguais até serem moldados pelas circunstâncias. Por isso é bastante simbólico o instante em que todos os nenês começam a falar. As palavras, em qualquer língua, são de fácil compreensão: “mamã e papá”.

Serviço:
BEBÊS – Documentário, livre
(Babies) De Thomas Balmès, França, 2010, 80min. A vida de quatro bebês de diferentes países, do nascimento aos primeiros passos.

Arcoíris Boulevard 1 (14h, 15h40, 17h20)
GNC Moinhos 3 (17h)
Unibanco Arteplex 8 (14h, 16h, 18h, 20h, 22h)

Fonte da notícia: Zero Hora

___________________________
Abaixo, o trailer do documentário:


Mais vídeos podem ser conferidos no site da Focus Features.

___________________________
Imagens dos bebês:

Ponijao
(Namibia)
Mari
(Japan)
Bayar
(Mongolia)
Hattie
(United States)
Essas e outras imagens também podem ser conferidas no site da Focos Features.

7º Concurso Ibero-Americano de Fotografia

Save the Children promove o 7º Concurso Ibero-Americano de Fotografia em Preto e Branco.

Até o dia 31 de maio, o Concurso Ibero-Americano de Fotografia em Preto e Branco recebe inscrições que retratem um conceito positivo da infância.

Como membro da Save the Children Internacional, a Fundação Abrinq - Save the Children divulga que estão abertas as inscrições para o 7º Concurso Ibero-Americano de Fotografia em Preto e Branco para fotos tiradas nos países da América Latina, incluindo o Brasil, e Espanha.

As fotografias devem capturar o tema do concurso “Hagamos ECO” (“Vamos fazer ECO”), tema desta edição do concurso, um espaço com a finalidade de que os participantes retratem o direito e a oportunidade de cada criança viver, sentir e respeitar seu planeta.

Devido às mudanças climáticas, uma das ações da Save the Children é gerar espaços para difundir o direito dos meninos de participar ativamente e opinar sobre as mudanças climáticas, como eles se veem nessa problemática, quais são suas propostas, como é manifestada a responsabilidade das garantias dos direitos da criança de defender seu bem-estar em um lugar e meio ambiente dignos.

Podem participar fotógrafos profissionais e amadores interessados sobre o tema, sem importar sua nacionalidade. Cada participante poderá apresentar no máximo duas (2) fotografias, que devem ser necessariamente tomadas em qualquer país da América Latina ou na Espanha e apresentadas em preto e branco. A participação é individual.

A página http://concurso.savethechildrenla.org/ é o espaço onde os participantes poderão se inscrever e colocar suas fotografias em formato digital até o dia 31 de maio. Qualquer fotografia que mostre imagens de crianças em situações desfavoráveis, sob ameaça de perigo, violência ou morte será desclassificada.

O tamanho mínimo da foto para concorrer é de 1400 pixels por 900 pixels, quer seja horizontal ou vertical, e/ou com uma resolução mínima de 200 dpi. Não há limite máximo para o tamanho e a resolução das fotografias.

O júri será formado pelos representantes da Rede de Intercâmbio Profissional de Comunicação da Save the Children, integrada por: México, Guatemala, Nicarágua e República Dominicana, que selecionará 25 finalistas e desses, 3 fotografias serão as ganhadoras do primeiro (US$ 800), segundo (US$ 500) e terceiro (US$ 200) lugares.  A seleção dos ganhadores e finalistas será publicada na página web do concurso, no dia 11 de julho.

As fotografias ganhadoras e os finalistas serão parte dos materiais elaborados pela Save the Children para o ano de 2012, tais como agendas, calendários e planificadores, material de uso para a organização.

FONTE: Portal de Notícias Fundação Abrinq

segunda-feira, 18 de abril de 2011

Seminário - Todas las niñas ¡todos los derechos!

Clique na imagem para aumentar.

Mais informações, clique aqui.

domingo, 17 de abril de 2011

Criança como índice versus criança como agente.

Criança como índice versus criança como agente.
 
Extrato retirado do artigo da antropóloga Flávia Pires: "O que as crianças podem fazer pela antropologia?" 

Referência do artigo completo:
PIRES, Flávia. O que as crianças podem fazer pela antropologia? Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, ano 16, n. 34, p. 137-157, jul./dez. 2010.

Para acessar a revista onde se encontra disponível o artigo, clique aqui.


A socialização poderia ser pensada como a aquisição gradativa de conhecimentos sobre determinado assunto. A criança, ser passivo, aprende. O adulto, ser ativo, ensina. A relação seria unilateral e não comportaria direções contrárias. A linha do conhecimento viria, literalmente, de cima para baixo. A cultura se adquiriria em um processo semelhante. A criança – um ser associal em quem a cultura será inculcada. O trabalho de socialização das crianças seria visto como um mecanismo progressivo de aquisição de cultura. Essa maneira de pensar repousa sobre a definição do adulto portador de cultura, do bebê enquanto ser associal e da criança enquanto ser se tornando social à medida da inculcação dos padrões de comportamento culturais de sua região natal. Nesse sentido, cultura é algo que se adquire, que está localizada no mundo dos adultos e cabe a eles passá-la adiante. A cultura teria um remetente e destinatário, assim como um endereço fixo.
Uma antropologia comprometida com um conceito de cultura substantivado e, consequentemente, pouco dinâmico, produziu estudos sobre crianças que privilegiaram a visão de socialização infantil como mecanismo gradativo de obtenção de cultura. Foram os estudos onde as crianças eram tratadas como índices do mundo adulto (Rapport; Overing, 2000).20 Strathern e Toren (Strathern et al., 1996) mostram que nesse esquema considerado obsoleto (sociedade como entidade) é a cultura que vai “socializar” os indivíduos, tornando-os seres sociais. Parte-se do princípio de um reino natural e externo a ser “socializado” pelo mundo da cultura ou do social. A educação das crianças foi pensada a partir desse modelo, na medida em que elas eram consideradas parte de um mundo natural, reino da biologia, reino dos instintos. Para Toren, a noção de socialização tem origem no século XIX e está presente em todos os modelos europeus que visavam a educação infantil do século XX, desde o de Freud ao de Skinner (Strathern et al., 1996, p. 73). Além disso, ela foi construída a partir de uma noção cristã da Idade Média de que a criança deveria ser moldada como a argila ou o betume. A partir da sua inserção gradativa na sociedade as crianças iriam se tornando seres sociais. Aprenderiam a falar, a andar, a comer à mesa e muito mais tarde teriam uma profissão que definiria seu lugar no mundo social. Doravante, ela será tanto mais social quanto mais bem-sucedida for no mundo social. A criança seria, gradativamente, “moldada” pelos adultos.
É contra essa concepção de socialização que vem falando Toren (ou domesticação, nas palavras de Ingold). O processo pelo qual nos tornamos quem somos difere radicalmente, nos termos de Toren (1999), da chamada “socialização” que tem como objetivo formar seres padronizados, através da inculcação da cultura. Os sistemas autopoiéticos produzem seres únicos, já que nenhuma história de encontros com os outros organismos é idêntica, nem mesmo no caso de gêmeos intrauterinos. Por isso, não há como determinar como a criança será no futuro, já que o que acontece no processo micro-histórico escapa às previsões dos pais e dos especialistas. A forma como Ingold e Hallam (2007, p. 1, tradução minha, grifo dos autores) introduzem seu livro Criativity and cultural improvisation pode ser transcrita aqui: “Não há roteiro para a vida social e cultural. […] Em uma palavra, […] tem que improvisar.”
O que quero propor é que esses conceitos de cultura e sociedade, implicados na noção de socialização, tal como descrita previamente, não parecem dar conta de compreender o que se passa no mundo adulto nem, muito menos, no mundo infantil. A cultura não reside estática na cabeça dos adultos, esperando ser enviada passivamente para as cabeças infantis. Abordagens sobre a infância que tratam as crianças como agentes sociais, produtores de cultura e personagens históricos (só para citar alguns exemplos: Bluebond-Langner, 1978; Briggs, 1992; Cohn, 2002; Corsaro, 2003, 2005; Nascimento, 2007; Nunes, 1999; Pires, 2009; Tassinari, 2001; Toren, 1990, 1999), levam em consideração que: 1) não há uma idade única para o aprendizado cultural: não apenas as crianças aprendem, mas os adultos não cessam de aprender; 2) as crianças aprendem tanto quanto ensinam, dos/aos seus pares e dos/aos adultos; 3) aprendizagem não se faz apenas por via consciente e racional, mas também através de outras maneiras de conhecer e aprender.
O conceito de cultura e de sociedade adequado a essas três afirmações parte da ideia de que não há uma cultura estática a ser ensinada ou passada de pai para filho. A cultura seria, então, algo dinâmico que se constitui a cada momento. Ela não existe enquanto um a priori, senão a cada momento em que é atualizada. Aprofundar estes tópicos parece-me essencial para o desenvolvimento dessa área de estudos, e poderá também contribuir sobremaneira para a antropologia de modo geral.
Além disso, pensar as crianças como organismos, nas palavras de Ingold, ou como sistemas autopoiéticos, nas palavras de Maturana e Varela retomadas por Toren, são possibilidades que nos levariam a, em outras palavras, tomar as crianças como agentes e, dessa forma, ultrapassar o conceito de cultura no qual as crianças só tinham lugar enquanto índices do mundo adulto.
Uma das possíveis contribuições dos estudos sobre crianças para a antropologia é que eles podem evidenciar a natureza dual do ser social, produtor e reprodutor de cultura. Seria inocência acreditar que a agência infantil é absoluta, e autores como Alan Prout (2005), um dos pais dos New social studies of childhood, já o reconheceram. As crianças dependem dos adultos. Elas são inseridas em um mundo de adultos, um mundo onde são os adultos que, geralmente, dão a última palavra. Por outro lado, algumas pesquisas na área da antropologia da criança e da infância vêm tentando, desde as duas últimas décadas do século passado, explorar o que há de ativo nos primeiros anos de vida do indivíduo, em que medida as crianças são autônomas, em que medida seu mundo não é um mundo adulto em miniatura. O livro Crianças indígenas: ensaios antropológicos (Silva; Macedo; Nunes, 2002), por exemplo, é uma dessas tentativas. Nesse livro, a partir de várias pesquisas de campo em sociedades indígenas, os autores vão tecendo uma vasta rede de agência infantil. Para citar apenas alguns exemplos: Aracy Lopes da Silva (2002) chama as crianças de pequenos “xamãs”: porta de entrada do novo na comunidade, já que as crianças propõem soluções criativas para problemas da comunidade. Mariana Kawall Leal Ferreira (2002) apresenta crianças submetidas a situação de miséria que inventam uma outra maneira de ganhar a vida, muito diferente daquela esperada pelos seus pais. Outro exemplo se dá em diferente contexto etnográfico, como mostra Toren (1999, p. 87-101) a respeito de Fiji; as crianças concebem o mundo de maneira distinta dos adultos: no ritual da yaqona a visão das crianças difere radicalmente das dos adultos. Assim, se de um lado as crianças são conformadas por um mundo de adultos, por outro lado elas conformam o mundo dos adultos. Entretanto, a pergunta que precisamos nos fazer, enquanto antropólogos que estudam crianças, é: mas não é assim em todas as fases da vida? Os adultos também não conformam a realidade social e são conformados por ela?
O que quero propor é que crianças (e adultos) sejam pensados dinamicamente em relação à influência chamada cultural ou social. Se, através de pesquisas etnográficas, for possível demonstrar a validade dessas três afirmações apresentadas anteriormente, poderíamos dizer que já não estaríamos operando com o conceito de cultura ou sociedade enquanto uma entidade, o que parece ter sido a tônica nos estudos de criança como índice. Estaríamos pensando a cultura e a sociedade antes de tudo como uma relação, seja entre crianças-adultos, crianças-crianças ou adultos-adultos. Indo na direção dos estudos da antropologia da criança e da infância que tratam as crianças como agentes sem, no entanto, simplesmente inverter do polo coletivista para o polo individualista. É sobre isso que me deterei agora.
Ao tratar as crianças como agentes corre-se o risco de simplesmente inverter o pêndulo da sociedade para o indivíduo sem conceber mudança teórica significativa. Strathern (Strathern et al., 1996) alertou sobre a obsolescência pragmática do conceito de sociedade justamente porque ele engendra uma série de outros conceitos, entre os quais o de indivíduo, também comprometido com uma ideia de sociedade como entidade, na medida em que a sociedade é concebida como um todo onde os indivíduos constituem as partes. Simplesmente passar da abstração da sociedade para uma abordagem na qual o indivíduo constitui o centro absoluto não modifica em muito o quadro. Quando Margaret Thatcher diz: “A sociedade não existe. Há homens e mulheres individuais e há suas famílias”,25 ela julga ter resolvido o problema: extingue-se a sociedade, uma abstração, e constituem-se os indivíduos, consumidores reais no mercado livre. Strathern mostra, ao contrário, que o conceito de sociedade está intrinsecamente ligado ao conceito de indivíduo e que para fugir de um deles não é sufi ciente ou possível esconder-se atrás do outro.
Para Strathern (Strathern et al., 1996, p. 66, tradução minha), “o primeiro passo é apreender as pessoas como, ao mesmo tempo, contendo o potencial para relacionamentos e sempre embebidas em uma matriz de relações com os outros”.26 Não se trata de conceber um individualismo radical a partir dos estudos das crianças. Trata-se de estar ciente da criança como sujeito ativo em seu próprio mundo social (note-se: o mundo da criança também é social, Ingold concordaria) e não como um ser passivo às margens de um mundo social dos adultos.27 Toren (Strathern et al., 1996) propõe a noção de “sociality” no lugar da de sociedade. Embora também estejamos frente a uma abstração, a “sociality” denota processos sociais dinâmicos nos quais as pessoas estão inseridas. A ideia de sociedade, da qual a de socialização é filha, denota um conjunto de regras/costumes/estruturas/sentidos que existem como um sistema independentemente do indivíduo que será socializado (Strathern et al., 1996, p. 74). Toren trabalha contra a ideia de um bebê enquanto uma tabula rasa, na qual uma sociedade (ou uma cultura), abstrata e descorporificada, será inscrita. Alternativamente, o caminho proposto é outro:

Vamos tomar uma nova perspectiva – de onde, no coração de nossos estudos, nós colocamos pessoas que, como sujeitos históricos ativos e objetos da ação de outras pessoas, são ao mesmo tempo produtos e produtores de significados infinitamente variáveis, mas não arbitrários. (Strathern et al., 1996, p. 76, tradução minha).

Para acessar a revista onde se encontra disponível o artigo, clique aqui.

1º Seminário Nacional sobre Infância, Juventude e Políticas Públicas

Imagem obtida no site do evento.

"A finalidade do evento é proporcionar um espaço de trocas de conhecimento científico, mas também um momento de construção de novas práticas em torno dessas temáticas. Buscando suscitar debates e reflexões de modo a contemplar não apenas os representantes da academia, mas propor uma discussão entre os vários atores sociais envolvidos na produção do conhecimento dentro dos eixos temáticos propostos pelo evento. Possibilitando, assim, o diálogo entre a Academia, Governo e Movimentos Sociais."


1. Constituição e novos arranjos familiares
2. Crianças e adolescentes em condições de rua
3. Educação e Processos de Formação
4. Ferramentas na intervenção junto à infância, adolescência e juventude
5. Formação de jovens para o trabalho
6. Práticas Institucionais no Contexto do Judiciário
7. Violências e Contexto Social 
8. Políticas Públicas e Direitos Humanos
9. Saúde, Vulnerabilidade e Riscos
10. Trabalho Infantil       



O PRAZO PARA SUBMISSÃO DE TRABALHOS É ATÉ 06/05.
Veja as normas aqui.
Instruções aqui

sábado, 16 de abril de 2011

2º Festival Internacional Pequeno Cineasta

Imagem do blog do evento.

O que uma criança é capaz de criar com uma câmera na mão?

A resposta pode ser conferida na 2ª Edição do Festival Internacional Pequeno Cineasta, 
de 8 a 12 de novembro de 2011, no Rio de Janeiro.


Em breve divulgarão a programação. Aguardem.

Para mais informações, conferir o regulamento e realizar inscrição, visite o site do evento.

quinta-feira, 14 de abril de 2011

Bibliografia

Como podem ter visto, criei uma página no blog para reunir bibliografias que possam interessar aos leitores.
Caso ainda não tenham visto, cliquem aqui ou na aba "Bibliografia" logo acima.
E para aqueles que já viram, podem visitá-la de novo, pois tenho atualizado a página constantemente.
Sempre que eu fizer alguma alteração colocarei na primeira página do blog para que possam se inteirar sobre a atualização.

Eis as atualizações:
BORBA, Ângela Meyer. Infância e cultura nos tempos contemporâneos: um contexto de múltiplas relações. Resvista Teias, v.6, n.10-11, 2005.
BUSS-SIMÃO, Márcia. Antropologia da Criança: uma revisão da literatura de um campo em construção. Revista Teias, v.10, n.20, julho de 2009.
CORSARO, William. Sociologia da Infância. Editora Artmed.
FONSECA, Claudia. Da circulação de crianças à adoção internacional: questões de pertencimento e posse. Cadernos Pagu, n.26, p.11-43, janeiro-junho de 2006.
GIRARDELLO, Gilka. Produção cultural infantil diante da tela: da tv à internet. Revista Teias, v.6, n.10-11, 2005.
LEITE, Maria Isabel. Livros de Arte para Crianças: um desafio na apropriação de imagens e ampliação de olhares. Revista Teias, v.6, n.10-11, 2005.
PEREIRA, Rita M. R. Uma história cultural dos brinquedos. Revista Teias, v.10, n.20, julho de 2009.  
PIRES, Flávia. Ser adulta e pesquisar crianças: explorando possibilidades metodológicas na pesquisa antropológica. Rev. Antropol. [online]. 2007, vol.50, n.1, pp. 225-270.
REIS, Andréa C. Imagens históricas da infância refletidas nos contos populares. Revista Teias, v.6, n.10-11, 2005.
RUSSO, Kelly. Vídeos educativos e o diálogo entre culturas: professores indígenas e a apropriação da linguagem audiovisual. Revista Teias, v.8, n.14-15, 2007.  

Se tiverem sugestões não se inibam.
Aceito de braços abertos.

sexta-feira, 8 de abril de 2011

III REUNIÃO EQUATORIAL DE ANTROPOLOGIA


GT 14 - Antropologia, Etnografia e Culturas Escolares 

Amurabi Pereira de Oliveira (UFAL)
Eliana de Barros Monteiro (UNIVASF)
Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo.
Sempre houve, na antropologia, uma preocupação em torno dos meios através dos quais o conhecimento é produzido nas diversas sociedades, bem como, o modo que ele é passado adiante, transformado e utilizado. Abarcando, assim, uma concepção alargada de educação.
No Brasil, produções interdisciplinares que abarcam a antropologia e a educação vêm abrindo espaços de diálogos entre estes saberes. Os processos de ensino e aprendizagem transpassam da cultura escolar para a prática da vida cotidiana, do universo cultural que lhe são circunscritos. Bergamashi (2007) e Conh (2005) enfatizam o universo infantil para pensar a prática da educação entre os Guarani e os Xikrin, respectivamente. Nestes contextos socioculturais, identificam-se como nortes de significação cultural são essenciais para entender a própria dinâmica escolar destes grupos.
Buscamos superar a dicotomia entre a antropologia e a educação, que muitas vezes situa esta como prática e aquela como ciência (GUSMÃO, 1997). É inegável a convergência dos dois debates, e cada vez mais a antropologia é chamada a se posicionar acerca da multiplicidade da realidade cultural e social, existente na escola (ROCHA & TOSTA, 2009).
O multiculturalismo, como invenção moderna (HALL, 2009), complexifica a questão. A escola apresenta-se cada vez mais como uma realidade plural, e não como um espaço monocultural. A ideia da interculturalidade na prática educativa é fazer a diversidade ser refletida e compartilhada entre os indivíduos, como nos indica Cuéllar (2001).
Nossa proposta de GT focaliza-se nas práticas do cotidiano escolar, e na apreensão de tais práticas em uma perspectiva antropológica. Em outros termos, como pensar a Educação com a Antropologia? Tratamos, portanto, de pesquisas escolares e dos modos como a abordagem antropológica possibilita uma imersão no universo escolar. Abrimo-nos aqui às mais diversas abordagens, que toquem à temática da antropologia da educação.


MINI CURSO:  Antropologia e Pesquisa Educativa Intercultural

Coordenação:
Maxim Repetto Maxim Repetto (UFRR)
Maria do Socorro Pimentel (UFRR)
Fabíola Carvalho (UFRR)
Resumo: Neste mini-curso revisaremos alguns dos debates contemporâneos sobre pesquisa educativa em interculturalidade envolvendo um campo amplo de reflexão, desde a redefinição do próprio Estado Nacional, os debates contemporâneos sobre participação e Direitos Humanos, até os debates sobre educação escolar indígena e de “interculturalidade para todos”. Um foco especial do debate estará centrado no estudo de propostas metodológicas e teóricas sobre educação intercultural, em especial nos desafios da pesquisa educativa com crianças, jovens e adolescentes indígenas. O principal objetivo é divulgar a temática da educação intercultural e seus vínculos com a antropologia e os estudos sociais de forma mais ampla. Neste contexto que o Instituto Insikiran de Formação Superior Indígena vem formando professores indígenas no Curso de Licenciatura Intercultural, sendo que no Brasil hoje são aproximadamente 23 cursos em diferentes instituições de ensino superior. No entanto falar em educação intercultural implica abrir um leque de debates, não são conceitos unívocos, mas bem polissêmicos. Buscamos, a partir da troca de experiências, ampliar o debate epistemológico e metodológico, de forma a buscar novos horizontes de compreensão e atuação.

quinta-feira, 7 de abril de 2011

quarta-feira, 6 de abril de 2011

III ENCONTRO INTERNACIONAL DE LINGUAGEM, CULTURA E COGNIÇÃO

III ENCONTRO INTERNACIONAL DE LINGUAGEM, CULTURA E COGNIÇÃO

REFLEXÕES PARA O ENSINO E APRENDIZAGEM

17 à 20 de Abril de 2011
Belo Horizonte
Faculdade de Educação da UFMG


 III Encontro Linguagem, Cultura e Cognição tematiza a aprendizagem, assumindo-a em sua acepção mais ampla: como processos de aprendizagem da cultura. A abordagem conceitual proposta revela a atual tendência para a exploração do tema no campo das Teorias da Prática e da Cognição Situada. O programa de debates – de interesse do campo acadêmico e da Educação Básica – assume, portanto, a aprendizagem como tema central a partir de autores que atuam na interseção dos campos disciplinares da Educação, Lingüística, Psicologia, Antropologia e Biologia.  Tal proposta emerge da necessidade de abordar as relações entre a aprendizagem e a prática social, aprofundando o conhecimento de grupos e culturas que geram formas de convivência ou de socialidade constitutivas na formação dos sujeitos.

Para inscrições, programação e contato, visite o site do evento.

terça-feira, 5 de abril de 2011

GT La dimensión etaria desde la antropología: configuraciones de niñez, niñas/os, juventud y jóvenes

X Congreso Argentino de Antropología Social "La antropología interpelada: nuevas configuraciones político-culturales en América latina"
Facultad de Filosofía y Letras. Puán 480, Caballito, Ciudad Autónoma de Buenos Aires
29/11 - 02/12/11

María Adelaida Colangelo. UNLP
Andrea  Szulc. UBA
Laura Kropff. UNRío Negro
Mariana Chaves. UNLP
La propuesta de grupo de trabajo elaborada tiene antecedentes en la coordinación de simposios y mesas de trabajo en el marco de los últimos tres congresos nacionales de antropología social. En el año 2004 se presentaron grupos separados enfocados en infancia y en juventud; ya desde 2006, las propuestas se unieron por sugerencia de los comités asesores en un único grupo de trabajo que funcionó articulando sub-ejes según el evento. En esta oportunidad, y visto los antecedentes y el buen vínculo que hemos creado en esas experiencias, nos atrevemos a proponer inicialmente un funcionamiento conjunto guiado por la discusión antropológica de la dimensión etaria. A partir de los intercambios de casos etnográficos y de las discusiones teóricas dadas en los espacios mencionados, se hace necesario generar una perspectiva teórico-metodológica que permita pensar una antropología que analice la edad como dimensión estructurante de la vida social. Este abordaje antropológico no debería quedar conceptualmente circunscrito a las categorías vinculadas a grados de edad [age grades] específicos como si constituyeran realidades aisladas que se explican en sí mismas. Por el contrario, esta antropología de la edad debería incluir el análisis de los procesos sociales desarrollados en las arenas demarcadas por la puesta en uso de las distintas categorías etarias. Este grupo recibirá, entonces, ponencias que se orienten, tanto al análisis, las interpelaciones y disputas en torno a los grados de edad de la niñez y la juventud, como a la configuración de diversos grupos de edad (generaciones), identidades con anclaje en lo etario y producción cultural de niños/as y jóvenes. 
El grupo propone tres sub-ejes de discusión
1: La niñez como categoría y experiencia. Continuidades y transformaciones
Este sub-eje parte del reconocimiento del lugar que la niñez ha pasado a ocupar como objeto de reflexión en ciencias sociales, especialmente del aporte conceptual y metodológico que a este análisis crítico viene realizando la antropología, desde su tradición problematizadora. El ámbito de discusión construido a partir del VII CAAS ha contribuido a consolidar una perspectiva antropológica sobre la niñez como construcción sociohistórica, heterogénea, cambiante, disputada; como un conjunto de experiencias y categorías que es preciso abordar analíticamente en su complejidad. No obstante, nos preocupa la persistente naturalización de que sigue siendo objeto la niñez, tanto en ciertos discursos académico-profesionales como del sentido común, que la reducen a un fenómeno biológico universal e inmutable. Proponemos, entonces, la presentación de trabajos que den continuidad y profundicen la problematización emprendida en el citado espacio, invitando en particular a reflexionar sobre las continuidades y transformaciones de la niñez en sus diversos contextos socioculturales. 
2: Juventudes. 
Este sub-eje recibirá trabajos de investigación centrados en lo joven, juvenil o jóvenes a partir de dos tipos de aproximaciones. Por un lado, aquellos resultados que aporten a explicar la construcción cultural de la juventud, donde no simplemente se tiene como referente empírico a personas jóvenes sino que se discute la construcción social de dicha categoría. Y por otro lado, los avances de investigación sobre las prácticas culturales realizadas por personas consideradas jóvenes. En este caso también se pretende una problematización de cómo se inserta la producción cultural realizada por este grupo o grado de edad en la dinámica social y cultural más general. El interés por la acción político-cultural, la lectura de las relaciones de poder y cómo se resuelve la cuestión de clase y/o género en la cultura a través de producciones con anclaje en lo etario son de sumo interés para avanzar en la discusión del campo. 
3: Antropología de la edad. 
Este sub-eje se propone colocar el foco en el análisis antropológico de aquellos aspectos que hacen a la dimensión etaria como estructurante de la práctica social que no quedan, necesariamente, circunscriptos a lo que se expresa en términos de grados de edad. Nos referimos, por ejemplo, a la dimensión etaria operando como articuladora de posiciones en el marco de procesos políticos, trayectorias laborales, procesos de comunalización de diversa índole, etc. Asimismo, nos referimos a lo que los antropólogos clásicos de la escuela estructural-funcionalista llamaron “grupos de edad” y que, desde lecturas contemporáneas, se define como “generaciones”. Nos interesan los abordajes de las relaciones intergeneracionales, la vinculación entre generaciones y memoria colectiva, las disputas que se inscriben en términos generacionales, etc. Se espera recibir tanto trabajos etnográficos como ponencias que se centren en la discusión teórica.
 
Informações retiradas do site do evento. Para visitá-lo, conhecer os outros GTs e obter mais informações, clique aqui.

domingo, 3 de abril de 2011

ENSAIO: Crianças Baré no Alto Rio Negro

Museu Théo Brandão de Antropologia e Folclore, 
13, 14 e 15 de abril/2011 - Maceió-Alagoas/BRASIL
 
ENSAIO: Crianças Baré no Alto Rio Negro
Imagens: Rogério Lannes Rocha
 Para mais informações e outras imagens, clique aqui.

sexta-feira, 1 de abril de 2011

XXVIII ALAS - GT22 - Sociologia da infância e juventude

XXVIII Congresso Internacional da Associação Latino-Americana de Sociologia
 
Recife
6 a 11 de setembro de 2011
 
 
GT22 - Sociologia da infância e juventude
Coordenação:
Tom Dwyer (BRASIL)
Maurício Antunes (BRASIL)
Rosa Maria Camarena (BRASIL)
Maria Isabel Dominguez (CUBA)
Silvia Guemureman (ARGENTINA)
Mónica Franch (BRASIL)


Ementa:
O GT Sociologia da Infância e da Juventude da ALAS é um espaço para divulgação e debate das pesquisas realizadas na sociologia latinoamericana, levando em conta as diferentes formas de representar e vivenciar os ciclos de vida na diversidade sóciocultural das sociedades latinoamericanas, as mudanças que acontecem no bojo dos processos de modernização que afetam a região, e considerando também as relações de gênero nos processos sociais. Busca facilitar o intercâmbio das experiências e a articulação entre os diferentes pesquisadores e grupos de pesquisa, a partir dos eixos que compõem o mosaico temático do GT:
a. matrizes teórico-metodológicas nas pesquisas sobre infância e juventude na AL;
b. subjetividades e identidades coletivas;
c. oportunidades e condições de vida
d. consumo, lazer e sociabilidades;
e. políticas de controle social formal da infância e juventude e as estratégias de controles informais;
f. movimentos sociais, políticas públicas e participação política de crianças e jovens;
g. sexualidades;
h. visões de mundo e perspectivas de futuro.

 
Veja a convocatória completa aqui.

Mais informações: